4 de ago de 2013

Como eu faço o roteiro dos meus vlogs


Hoje eu resolvi contar para vocês como eu faço os meus roteiros. Não tem nada de profissional, nem super especial no modo como eu coloco as ideia no papel, mas achei legal partilhar por que pode ajudar alguém que tenha dificuldade. 
Primeiro vale ressaltar que, na minha opinião, o modo de escrever o roteiro varia com a pessoa e o tipo de vídeo a ser gravado. Vou me restringir a falar sobre vlogs com algumas ceninhas que é o mais comum.

1. Eu divido o roteiro por cenas. Esse passo foi algo que demorei de fazer, mas depois que comecei nunca mais larguei. Basicamente ele consiste em você dividir os tipo de cenas. Vejamos. Meus vlogs geralmente se passam no meu quarto, em uma posição fixa, e as cenas vão se intercalando às minhas falas nesse primeiro cenário. Eu escrevo o roteiro na ordem lógica que ele terá no final, mas eu gravo todas as cenas de um mesmo cenário de uma vez só. Nem sempre dá pra gravar tudo num dia só, então as vezes ao final da gravação eu acabo com o inicio, pedaços do meio e o final do vídeo. Esse método é benéfico por que impede erros de continuação. 
Parece algo besta mas eu costumava a gravar na ordem lógica e tinha que ficar parando e trocando de roupa toda hora. Era muito trabalhoso!
Já aconteceu também de eu esquecer de gravar alguma parte do vídeo e só descobrir dias depois quando fosse editar. Com o roteiro fragmentado em cenas eu vou marcando as cenas que já gravei e depois confiro tudo no final.
Além disso eu destaco de forma igual as cenas que posso gravar de uma vez só pra não pular nenhuma.


2. Eu explico o meu vídeo no roteiro. As vezes acontece de eu escrever um roteiro e ele ficar uma eternidade aguardando para ser gravado. Como eu não tenho boa memória, muitas vezes acontecia de eu pensar o vídeo de uma maneira e, tempos depois, quando relia ele não parecia tão engraçado ou até não fazia sentido. Por isso eu passei a especificar todas as peculiaridades do vídeo. Eu escrevo desde o local específico em que a cena vai ocorrer (que pode mudar todo o contexto) até gestos, expressões faciais, entonação e as vezes até efeitos para acrescentar na edição. Isso permite com que o vídeo não perca a sua essência caso eu não tenha condições de gravar logo após terminar o roteiro.


3. Eu faço uma lista do que vou precisar em cada cena. Uma coisa que as ainda é recorrente é eu ter que parar de gravar para buscar algo que vou precisar em uma cena específica. Por isso resolvi passar a acrescentar no roteiro os objetos utilizados em cada cena. Assim fica mais fácil para pegar tudo antes de cena e não ter que ficar parando.


4. Eu não fico presa ao roteiro. Essa dica parece um pouco contraditória, mas a verdade é que eu uso o roteiro apenas como um guia, deixando liberdade para improvisos, encaixe de cenas de última hora, etc.

O vlog direto (sem ceninhas) não tem muitas dificuldades, ele pode ser escrito como um texto corrido, ficando a opção de detalhar alguma particularidade que você deseje acrescentar (entonação, gestos, etc).

Vou deixar aqui um roteiro que eu fiz para vocês terem ideia de como fica, mas, como eu sou muito curiosa, quero saber como vocês, colegas vlogueiros, fazem o roteiro de vocês! Me contem aqui nos comentários.

3 comentários:

  1. Ola
    Gostei muito da sua materia e gostaria de ver o modelo, mas ele nao esta mais disponivel.
    Vc tem ele postado em algum outro lugar?

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Ola
    Gostei muito da sua materia e gostaria de ver o modelo, mas ele nao esta mais disponivel.
    Vc tem ele postado em algum outro lugar?

    beijos

    ResponderExcluir
  3. AMEI a sua matéria, sério mesmo, mas estou curiosa também e queria o modelo de roteiro, mas não aparece mais disponível. Se postará dnv?

    Beijos, e mais uma vez adorei!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...