3 de set de 2013

Captando áudio Bon Odori/2013 - SoteroGeeks


De mochila velha nas costas (uma mochila da época do 3º ano do colégio), com o material separado e funções definidas, rumamos para o evento a ser coberto (pega o cobertor rsrs). Festival de Cultura Japonesa. Local: um pouco antes de tão tão distante. Previsão de chegada: 2016, segundo a fila de carros parado a nossa frente. Saltamos e continuamos o percurso a pé enquanto constatávamos que carro não é uma solução de liberdade e mobilidade urbana. 

Chegamos e nos deparamos com uma fila gigantesca, mas felizmente constatamos que era para comprar ingressos. Já tínhamos os nossos. Começar as gravações na porta do evento seria muito clichê?  Vai assim mesmo, pelo menos começamos a testar o material e montar os equipamentos. Essa foi uma ótima ideia por que percebemos que a cor da espuma do microfone ficava muito homogênea com a camisa do nosso host recheado de chocolate. 

Lucas, nosso encarregado da câmera, foi cobrir a fila (cobertor de novo? rsrs) e em seguida entramos. Encontro conhecidos de forma rápida e azoada e nem me dou conta que já larguei eles lá e estou seguindo o fluxo com uma câmera na mão e um microfone na outra, tentando fazer tomadas e estabilizar a filmadora com o nariz.


Anunciam no alto falante o concurso cosplay, um dos nossos objetivos importantes de cobertura. Nos informamos e voamos para o palco. Montamos o equipamento de novo, enquanto torramos ao sol. Inspirados pela meninas da moda harajuku abrimos nossos guarda-chuvas, que trouxemos graças a fiel previsão do tempo. Continuamos torrando.

Entrevistas, queríamos entrevistas. Conseguimos o nosso primeiro alvo, um cosplay feliz e interessado em colaborar. Posição estratégica, tudo pronto e oh yes! Conseguimos nossa primeira entrevista. Como encarregada do áudio fui verificar a qualidade da gravação. Eita saçi danado, áudio quase ininteligível. Aperta daqui, balança de lá, troca adaptador e nada. Vamos trocar o gravador. Nada. Troca o adaptador pela milionésima vez aí Samy. REC, testando. Milagrosamente, não apenas temos o áudio como podemos monitorar a gravação com os fones. Viva ao gravador de Lucas e a Murphy que deu uma trégua.


Mais entrevistas, aparição da Gaby que dividiu a função de host com o André, gravações exclusivas, sobe no palco, desce do palco. Hora do almoço que ninguém é de ferro. Comi um cebolasoba que foi vendido como yakisoba, mas só tinha cebola. Eu odeio cebola, mas a fome transforma a gente. Limite de ingestão diário de cebola atingido, resolvi comprar outro yakisoba pra ver se tinha mais sorte. Dessa vez macarrãosoba. Desisti.

Depois de papos, contatos, informações e picolés e voltamos à labuta. Agora entrevistar o público, ver stand e dar uma passada nos locais ainda inexplorados pela equipe SoteGeeks.  Encontramos mais conhecidos, alguns inusitados e eu adorando passear com o microfone personalizado na mão.


Descobri um gosto inesperado por ficar atrás da câmeras. Apesar de sempre gravar vlogs mostrando meus belos olhos, descobri o quanto é gostoso ficar ali quietinha cuidando do áudio e rindo das piadas. Principalmente quando envolve interação com desconhecidos.

Resolvemos acrescentar perguntas humoradas com algo que envolvesse o tema do evento e descobrimos que boa parte do público não fazia ideia do que é Ikebana, além de ser o nome  floricultura do Rio Vermelho - que já dá uma boa pista.

Vamos finalizar por que já ta todo mundo zarolho. Que tal um final mais emocionante? Lucas junta os Cosplayers e filmamos. Show! Caronas encontradas e perdidas, vamos em direção a saída nos sentindo os três mosqueteiros (que são 4), uma super equipe para cobrir eventos. Somos o máximo até sairmos e encontramos com um rapaz e seu tripé que continha um super câmera profissional. Torcemos pelo futuro.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...