22 de ago de 2014

Os inevitáveis momentos de dor

Atualmente estou numa busca de como me manter mais tempo feliz.Tem sempre aquelas coisinhas bestas que te chateiam e o que estou tentando fazer é buscar como não deixar que elas me afetem ou, se me afetarem, como superar rapidamente e retomar a alegria genuína da vida.

Confesso que não é nada fácil, quando fico chateada tenho a tendência de ficar remoendo a coisa por todo o dia. Entretanto, tem emoções na vida da gente que precisam ser sentidas, até mesmo para serem superadas. Não dá para ser feliz 100% do tempo.

Outro dia recebi um e-mail da newsletter da Paula Quintão do site Equipar pra vencer que falava um pouquinho sobre isso. Achei o texto inspirador e não resisti em pedir a autorização da Paula para reproduzi-lo aqui. Felizmente ela permitiu, então confiram:

"Há um discurso reinante em prol da alegria, da realização e da exaltação incontida à felicidade infinita. Isso porque somos seres que em essência buscam a felicidade dia após dia. 

Nosso estado de felicidade atrai para o nosso redor mais pessoas que se contagiam com nossa presença; faz nossa pele cintilar com mais brilho, faz o olhar ser único e especial, faz a nossa presença ser sempre muito querida. 

Sempre vamos nos aproximar mais das pessoas felizes, é um fato.

Manter a mente em estado positivo é sempre algo muito bem-vindo que promove muitos e muitos tipos de cura: cura das emoções, cura dos pensamentos, cura das perspectivas e curas até mesmo do nosso corpo físico.

Acontece que nem sempre o estado de positividade é superior à nossa tristeza, à nossa dor. 


E ao contrário do que todas essas correntes querem sobre manter a felicidade acima de tudo e todos, tem horas em que é preciso parar um pouco e deixar que a dor tenha a sua voz quando estivermos em momentos de inevitável tristeza.  

Tem dias que é de ficar sim deitado debaixo da coberta comendo sorvete, tem dias que é para deitar no sofá e chorar um pouco, tem dias que é para dirigir por horas e horas ouvindo suas músicas preferidas feitas especialmente para você chorar. 

São momentos necessários para vivenciar sua dor. 

Vivenciar a dor por completo é importante. Entender a dor, escutar suas nuances, facilitar que ela diga a que veio. Só assim desenvolvemos autoconhecimento. 

E entenda bem o que eu lhe digo: vivenciar a dor é muito diferente de entrar em sofrimento. Sabe aquela lista de lamúrias, dramas, chororôs e postagens de fazer dó. Não é esse o modo saudável de vivenciar a sua dor. 

A vivência é muito silenciosa, é muito íntima. E por isso mesmo muito importante para seu desenvolvimento como um ser humano que quer a cada dia se conhecer mais, se aprimorar e crescer. 

Gosto do que Rilke nos escreve em suas cartas no pequeno e precioso livro "Carta a um jovem poeta".

Para ele a dor sempre se instala em nossa vida quando estamos diante de algo novo, algo que surge querendo arrancar de nós a plataforma sólida em que estamos vivendo. As tristezas fazem parte de grandes momentos de transição, é um fato. 

E Rilke nos diz "Quanto mais tranquilos, pacientes e receptivos formos quando estamos tristes, tanto mais profundo e mais firme o modo como o novo entra em nós, tanto mais fazemos por merecê-lo, tanto mais ele se torna o nosso destino". 

Que a dor nos sirva para promover um aperfeiçoamento intenso em nossa alma, em nosso espírito, em nossa vida. 

É o que nos desejo nesse entardecer de segunda e em todos os outros dias de nossa vida. 
Grande abraço e excelente semana para nós,
Paula. (Equipar para vencer)"

E você, o que acha sobre o assunto?

Um comentário:

  1. Gente, eu achei tão, tão, tão excelente esse texto!

    Concordo demais que existem dias e dias.

    Aqueles dias feitos pra ficarmos conosco mesmo e aqueles dias em que precisamos de algum amigo 'palhaço' nos alegrando, isso quando não somos nós os 'palhaços'!!

    Excelente reflexão essa da Paula. Adoooorei.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...