23 de mar de 2015

Fangirl


Esse foi o primeiro livro que consegui terminar esse ano e li em um dia, comecei e não parei até terminar.  Esse livro está classificado no skoob como Ficção / Jovem adulto, mas ele entra na minha classificação pessoal como livro adolescente bestinha água com açúcar (ABAA).

Fangirl é um livro da Rainbow Rowell (li Eleanor e Park ano passado e você pode ver a minha opinião a respeito clicando aqui) e apesar de não ter gostado muito do estilo da Rainbow eu resolvi dar uma chance para Fangirl. 

Comecei a ler no final do ano passado, quando estava esperando carona no shopping. Fui para Saraiva e queria ler algo leve, pois estava cansada do dia cheio. ABAA é um ótimo gênero neste aspecto, pois faz as horas passarem rápido. Eu não estava nem na metade do livro, mas a carona chegou e fui embora. 

A vontade de continuar a ler a história me perseguiu, então peguei um ebook em inglês (só achei nesse idioma na época) e fui lendo no passo da tartaruga (já notei que tenho uma estrondosa preguiça de ler livros em inglês). Acabou que eu parei a leitura e só fui voltar em março desse ano, quando meu tablet voltou à vida (senti tanta falta de ler no tablet!) e eu descobri uma versão do ebook em português. Comecei a ler em uma tarde e só parei às 1:00 da madrugada com os olhos já ardendo. 

Antes de começar a falar sobre as minhas impressões vou deixar a sinópse que tem lá no skoob (me adicione no skoob aqui) para vocês saberem do que se trata o livro: 

"Fangirl - Cath é fã da série de livros Simon Snow. Ok. Todo mundo é fã de Simon Snow, mas para Cath, ser fã é sua vida – e ela é realmente boa nisso. Vive lendo e relendo a série; está sempre antenada aos fóruns; escreve uma fanfic de sucesso; e até se veste igual aos personagens na estreia de cada filme. Diferente de sua irmã gêmea, Wren, que ao crescer deixou o fandom de lado, Cath simplesmente não consegue se desapegar. Ela não quer isso. Em sua fanfiction, um verdadeiro refúgio, Cath sempre sabe exatamente o que dizer, e pode escrever um romance muito mais intenso do que qualquer coisa que já experimentou na vida real. Mas agora que as duas estão indo para a faculdade, e Wren diz que não a quer como companheira de quarto, Cath se vê sozinha e completamente fora de sua zona de conforto. Uma nova realidade pode parecer assustadora para uma garota demasiadamente tímida. Mas ela terá de decidir se finalmente está preparada para abrir seu coração para novas pessoas e novas experiências. Será que Cath está pronta para começar a viver sua própria vida? Escrever suas próprias histórias?" 

Eu resumiria em uma história que começa bem leve e divertida e vai decaindo até parecer irreal. Eu estava gostando do livro no início, mas do meio pro final eu me indignava a cada 3 folhas. Mas para ser bem justa com o livro resolvi listar para vocês as coisas que gostei e que não gostei a respeito dele.

O QUE EU GOSTEI

  • O livro trata sobre um tema muito atual que são as fanfics e traz um perspectiva que tenta legitimar as fanfics como mais que meras adaptações;

  • Ele também fala sobre a atividade de escrever no geral. Tem um momento que a professora de faculdade da Cather tenta ajudá-la a sair do bloqueio de escrever apenas fanfic para criar algo seu. Achei bem verdadeira essa parte, pois muitas vezes para quem gosta de escrever (presente o/) pode ser difícil começar uma história do zero. 

  • Apesar do Levi, namorado da personagem principal (Cather), ser aquele cara sempre feliz e bonzinho que faz tudo por todo mundo, eu achei legal como ele não a pressiona e deixa a Carther bem a vontade para fazer o que ela quiser, quando ela quiser durante o livro.


O QUE EU NÃO GOSTEI

  • O puritanismo excessivo de Cather parece irreal. Eu entendo o processo de transição que os adolescentes passam quando começam a ser interessar por outras pessoas e começam a pensar em questões como contato físico, beijo de língua e sexo. Entretanto, achei exagerado e deixou a personagem com cara de bocó. Ela leva meses para beijar o próprio namorado, sentar no seu colo, fazer carinho. Eu entendo a insegurança dela, cada um tem seu tempo e as coisas devem ir com calma, mas é tudo tão caricato que deixa de ser algo que as pessoas que estão vivendo essa situação possam se identificar. 

  • A Cather é a típica adolescente bestinha idiota e acho que todo mundo (ou quase) já esteve nessa posição, é uma fase da vida, mas tem uma parte do livro que ela, simplesmente por estar aborrecida, começa a questionar o fato do namorado querer levar o balde de roupa suja dela e começa com um tom quase feminista que diverge completamente com o tom da personagem em todo o livro, e cria um diálogo esdrúxulo, fazendo Cather e seu namorado parecerem dois retardados. 

  • Uma parte que me incomodou muito foi quando a personagem principal estava sozinha no quarto do namorado pela primeira vez, finalmente criando algum contato físico com ele (tipo acariciar a mão dela), e tem uma hora que ela diz que sente que está falhando com ele, por que devia ir para o quarto dele para fazer coisas com ele e não ler fanfic. Primeiro, nenhuma pessoa seja homem ou mulher deve se sentir na obrigação de fazer nada com ninguém se não estiver a vontade ou preparada para aquilo. Eu tive vontade de gritar: Você não está faltando com ninguém, você está sendo verdadeira com você mesma e se ele achar que você DEVIA alguma coisa ele é um otário. E o que me incomodou foi que essa parte passa a mensagem machista de que a mulher se gosta do cara tem que cumprir obrigações com o homem (se é que vocês me entendem). 

  • O final. Argh, não gosto dos finais da Rainbow. O livro simplesmente para do nada. Assim como em Eleanor e Park a sensação que eu tive foi que acabou o tempo e ele tinha que entregar alguma coisa. Você não sabe exatamente o que acontece no final e tem coisas que poderiam ter sido trabalhadas para ficasse algo subentendido do que pode ter acontecido, mas você simplesmente não faz ideia. Dessa vez ela deu a entender o desfecho de uma das questões do livro, mas ainda deixou muita coisa sem ser dita, mesmo que para que para que o final ficasse meio que no ar. Eu acredito que os finais da Rainbow Rowell são assim por ser um estilo literário da autora e a questão aqui não é se é bom ou ruim, mas que não me agrada. 

No geral eu gostei da temática do livro. Além disso ele tem partes divertidas e tem o amorzinho que eu tanto gosto, mas nada além disso. Achei razoável, bom para passar o tempo. ;) 

Livro: Fangirl
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Novo século 
Ano: 2014 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...